incubadora

Memorial vai resgatar a história do café

Período auge da cafeicultura, entre 1957 e 1970, será exposto por meio de fotografias, objetos e máquinas no antigo IBC

Resgatar e preservar a história da cafeicultura nas regiões norte e noroeste do Paraná. Essa é a proposta do memorial que está em implantação no antigo prédio do Instituto Brasileiro do Café (IBC), que hoje abriga a Incubadora Tecnológica de Maringá.

O projeto do memorial, que será batizado com o nome do fotógrafo Armínio Archimedes Pedro Gonçalves Kaiser (1925-2014), autor do livro ‘Ao sabor do café’, foi detalhado para antigos funcionários do IBC em um almoço na sede do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal).

“A ideia é que as pessoas que trabalharam no IBC contribuam com a doação de materiais e objetos da época”, explica o professor José Roberto Pinheiro de Melo, vice-presidente do Conselho de Administração da Incubadora.

Uma lista com os itens a serem angariados foi distribuída aos presentes na ocasião. Lá constam arado por tração animal, mesa de prova para identificação da bebida, empilhadeira, balança de pesagem, rodo, jogo de peneiras, moedor, amostras de café beneficiado, entre outros objetos que levem os futuros visitantes para uma viagem pelas décadas de 50, 60 e 70, auge da cafeicultura na região.

0506

Eficiência Energética – Ação para melhoria nas empresas

Trabalho faz parte de uma nova etapa do Programa de Apoio à Competitividade das Indústrias

Encerrado o trabalho na área de gestão financeira, começa agora a etapa de consultoria de eficiência energética nas 17 indústrias inscritas no Programa de Apoio à Competitividade das Indústria desenvolvido pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal) em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), com o objetivo de promover a competitividade, melhorar a gestão e fortalecer o associativismo no setor industrial.

Nos meses de setembro e outubro profissionais do Instituto Senai de Tecnologia em Metalmecânica de Maringá farão visitas individuais às indústrias para traçar diagnósticos da realidade de consumo de energia, a exemplo do que foi feito na etapa anterior e será feito também na próxima, esta última com foco na gestão de produção.

“O programa foi lançado no auge da crise com a ideia de ajudar as empresas a enfrentar essa fase como menos dificuldade possível. E agora já é possível ver os resultados, percebemos as empresas mais organizadas e ajustadas ao momento econômico atual”, avalia a coordenadora do programa, Ana Paulo Bertoglio Oliveira.

Outra atividade programada é uma palestra com o tema “Comunicação Interna”, agendada para 6 de outubro na sede do Sindimetal.

IMG_8074

Inovação – Clínica Tecnológica de Gestão da Inovação para Equipes

Realizado por meio de uma parceria entre Sindimetal e Sebrae, evento contou com a participação de 70 pessoas

Mais de 70 empresários e gestores do setor metalmecânico participaram, no início deste mês, da Clínica Tecnológica – Gestão de Inovação para Equipes, realizada pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Desenvolvida dentro do Projeto de Desenvolvimento do Setor Metalmecânico, a ação teve por objetivo repassar informações relacionadas à tecnologia sobre como motivar e potencializar os resultados da equipe. O responsável pelo treinamento foi o consultor Rafael Roque.

“É preciso envolvimento da equipe para melhorar os processos e aumentar a produtividade. Se a empresa não tiver uma equipe comprometida, a tarefa fica bem mais difícil”, ressalta o consultor Joversi Luiz de Rezende, do Sebrae Paraná.

Businessman hand pointing at chart and graph during discussion

Programa detalha questões legais e financeiras de processo sucessório

Com seis módulos, curso abordará governança, direito tributário e societário, gestão financeira, entre outros temas

O processo sucessório em uma empresa familiar deve ser planejado levando em consideração as particularidades de cada grupo familiar e empresarial, entre elas questões legais, financeiras e de gestão. Não à toa uma troca de comando bem-sucedida implica na implantação de uma série de práticas relacionada à boa governança como propõe o curso “Governança e sucessão familiar”, ofertado pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL), com o apoio da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

Dividido em seis módulos, com oito horas cada, o curso abordará desde a escolha e preparação do sucessor, questões jurídicas envolvendo sociedade e proteção patrimonial até a gestão financeira e de investimento na empresa.
Ao final da programação, haverá um workshop para apresentação e debates dos planos de governança e sucessão de cada família empresária participante com debates em plenária.

O conteúdo programático estará a cargo de um seleto grupo de professores da Universidade de São Paulo (FIA/USP), executivos e consultores convidados especialmente para o programa da Fundação Instituto de Administração.
Fazem parte do quadro docente os doutores Cláudio Antonio Pinheiro Machado Filho e Marco Antônio Conejero, além dos mestres Uriel Rotta, Ana Rita Schlatter, Pedro Calabrez Furtado, Vitor Henriques e Daniel Orsini.

Confira a programação:
Módulo 1 – Governança da empresa de controle familiar
Histórico, conceito e princípios de Governança
A importância da Governança para as empresas familiares
Implementação da governança em empresas familiares
Características: Eixos da família/gestão e propriedade
Composição e dinâmica dos conselhos
Transição/ Equacionamento do processo sucessório
Profissionalização da gestão: processos decisórios
Estudos de caso/exemplos

Módulo 2 – A família empresária e os desafios da sucessão
O processo sucessório
O papel do conselho de família
Protocolos familiares e acordo de sócios
O preparo dos herdeiros
Mediação de conflitos entre membros familiares

Módulo 3 – Direito societário, reestruturação e proteção patrimonial na empresa familiar
O ambiente regulatório das empresas de capital aberto e fechado
O Novo Código Civil e as implicações para as empresas familiares.
Aspectos legais do processo sucessório
Direito de família: separação/divórcio/testamento
Holdings familiares

Módulo 4 – Direito tributário e impactos na empresa familiar
Gestão contábil
Regimes tributários
Impacto da tributação sobre as estruturas societárias
Planejamento tributário

Módulo 5 – Gestão financeira e de investimentos na empresa familiar
Análise de investimentos
Análise de rentabilidade – margem x giro
Estratégias de diversificação: oportunidades e riscos
Alternativas de financiamento
Valuation: métodos e aplicações – exemplo prático: calculando o valor de uma empresa

Módulo 6 – Economia comportamental
Processo decisório
Aspectos cognitivos – vieses
Razão x emoção
Aspectos motivacionais
Relações interpessoais/comunicação

SET GOVERNANÇA ASSOCIADOS (2)

Industriais têm 50% de desconto em curso de governança

Curso com início em setembro para preparação da sucessão será ministrado por professores da Universidade de São Paulo

Estão abertas as inscrições para a segunda turma do curso ‘Governança e sucessão familiar’, ofertado pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL), com o apoio da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep). As indústrias associadas ao Sindimetal têm 50% de desconto no valor de R$ 4 mil. O pagamento pode ser feito em até quatro vezes. No total, são 35 vagas.

De acordo com o gerente da unidade Maringá da Fiep, Alexandre Destefano, o curso atende a uma solicitação da classe empresarial. “Os próprios empresários levaram à Fiep esta necessidade de capacitar os herdeiros para a sucessão”, diz.
“O curso tem por objetivo capacitar sócios, herdeiros e gestores para a transição por meio de conceitos e práticas que assegurem a longevidade dos empreendimentos familiares”, explica o responsável pelas relações com Mercado da Fiep, Eduardo Hikishima.

As aulas começam em 2 de setembro e vão até 15 de novembro. Os encontros quinzenais – sempre às sextas-feiras à noite e aos sábados de manhã – serão ministrados por professores da Universidade de São Paulo (FIA/USP).

Os interessados devem entrar em contato pelos telefones (44) 3218-5699 e (44) 8836-9380 ou acessar o www.faculdadedaindustriaiel.com.br.

visita técnica Flaus

Grupo de empresários visita indústria em Sarandi

Industriais conheceram processo de fabricação de peças automotivas produzidas pela Flaus

A indústria Flaus, localizada em Sarandi, abriu às portas, em 15 de julho, para um grupo de dez empresários que integram o Projeto de Desenvolvimento do Setor Metalmecânico, desenvolvido pelo Sebrae.

De acordo com a consultora Cristina Schneider, a visita técnica organizada pelo Sebrae teve por objetivo promover a integração e a interação entre os empresários do setor. Foi uma oportunidade para o grupo conhecer, observar e trocar informações sobre os processos produtivos”, avalia a consultora, acrescentando que uma visita semelhante foi realizada em junho na Allflex Etiquetas, em Maringá.

Durante o período em que esteve na Flaus, cerca de uma hora e meia, o grupo percorreu as dependências da indústria na companhia do gerente José Roberto e conheceu todas as etapas do processo de fabricação das peças automotivas.

A visita técnica começou na área de desenvolvimento de produtos, passou pelo setor de elaboração de protótipos, seguiu para o departamento de testagem e terminou no setor produtivo.

A próxima indústria a ser visitada pelo grupo deve ser a Romagnole, em Mandaguari, em data ainda não definida. Além das visitas técnicas, o Sebrae está organizando capacitações para os empresários nos meses de setembro e outubro.

visita técnica Flaus

Conselho do Trabalho se reúne no Sindimetal

Nos cinco primeiros meses do ano Maringá teve saldo positivo de empregos; ainda que seja uma vaga, notícia é positiva

 

Entre janeiro e maio deste ano a Agência do Trabalhador de Maringá registrou 17.330 admissões ante 17.329 demissões, resultando em um saldo positivo de apenas uma vaga. O resultado é reflexo da crise econômica.

Embora abaixo do esperado, no comparativo com Curitiba o desempenho de Maringá foi muito superior. Na capital paranaense, as demissões superaram as contratações em 6 mil nos cinco primeiros meses de 2016.

O mercado e as ofertas de trabalho em Maringá estiveram entre os assuntos abordados na última reunião do Conselho Municipal do Trabalho, realizada na primeira quinzena de julho, na sede do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal).

Outro tema que entrou na pauta de discussão foram os recursos do seguro-desemprego. Os conselheiros também discutiram formas de melhorar a qualificação dos trabalhadores e prepará-los para quando o mercado reagir e retomar as contratações.

O atendimento da Agência do Trabalhador também foi abordado durante o encontro. Além dos maringaenses, a agência local recebe pessoas das regiões de Apucarana e Londrina que buscam o serviço de emissão de carteira do trabalho e retornam para a cidade de origem com documento na mão no mesmo dia.

Participaram da reunião, representantes do poder público municipal – secretarias de Desenvolvimento Econômico, Mulher, Assistência Social e Cidadania e Educação -, além dos representantes das classes trabalhadora e patronal.

IMG_6893

Indústrias têm subsídio de 50% em programa de desenvolvimento em parceria com Sebrae

O Programa de Desenvolvimento do Setor Metalmecânico retomou as atividades neste segundo semestre e a expectativa é atender 40 empresas até dezembro. A iniciativa é do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal) em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/PR) e Senai, e ainda há vagas disponíveis.

De acordo com o consultor do Sebrae/PR, Joversi Luiz de Rezende, as empresas inscritas recebem consultorias e orientações para sanar problemas no processo produtivo, inovar e aperfeiçoar produtos, conceber novas ideias, entre outros.

Além do atendimento individual, os empresários podem contar com ensaios tecnológicos. “Se uma empresa de molas ou de cabos de aço, por exemplo, precisa avaliar se o produto suporta determinado peso, viabilizamos a realização do teste”, acrescenta Rezende.

Paralelo às consultorias, o programa oferece um cronograma de encontros coletivos com a realização de palestras. Este ano já foi abordado o tema “Produção enxuta”, com foco em reduzir desperdícios. Os próximos encontros, ainda sem data definida, terão os seguintes temas: “Inovação de produto”, “Gestão da inovação” e “Tecnologia de processos, métodos e técnicas de produção”.

Durante um ano, cada empresa pode participar com até três projetos, por meio do Serviço de Inovação e Tecnologia (Sebraetec). Cada projeto pode ter valor máximo de R$ 25 mil ou R$ 75 mil, caso a indústria participe de três ao mesmo ano. O Sebrae/PR disponibilizou R$ 400 mil para atender os participantes do programa e, com isso, subsidia 50% do valor.

Interessados devem entrar em contato com a entidade pelo telefone (44) 3220-3434, o contato é a Josi. Mais informações podem ser obtidas no Sindimetal pelo (44) 3224-4186.

Inga metal

Programa do Sindimetal ajuda empresas a otimizar gestão

As 18 empresas que aderiram ao Programa de Apoio à Competitividade das Indústrias estão tendo a oportunidade de otimizar a gestão financeira e de custos. É que depois de um diagnóstico das necessidades, estas empresas estão recebendo consultoria para implementar ferramentas de otimização de matéria-prima, mão de obra, contas a pagar, contas a receber e giro de estoque. As consultorias tiveram início em junho e prosseguem até setembro, num total de 12 horas por empresa.

A Ingá Peças é uma das que aderiu ao programa desenvolvido pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal) em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP). Segundo o proprietário, Cláudio Chiuchetta, após a análise de fluxo de caixa, estoque e produção, foi possível constatar a necessidade de reduzir o prazo de pagamento dos valores a receber, a necessidade de negociar aumento de prazo de pagamento junto a fornecedores e a redução do tempo de estoque, que hoje é em média de 120 dias. O empresário conta que a consultoria do programa do Sindimetal está sendo importante para complementar e validar o trabalho de outra consultoria que a empresa tinha contratado individualmente. “Este programa de competitividade veio somar ao trabalho que estamos fazendo. E o valor do serviço é bem interessante”, diz. Comercializando peças para implementos agrícolas, a Ingá Peças tem 22 funcionários e seis anos de mercado.

As consultorias estão sendo conduzidas por Jerri Kato, que tem ajudado as empresas a analisar custos de hora da mão de obra, a formar preço de venda e a estruturar o fluxo de caixa e resultados. Kato também foi o responsável pelo diagnóstico individual das empresas participantes, após visitas e aplicação dos questionários.

A FIEP custeia 80% do valor do projeto e a contrapartida cabe ao grupo de indústrias participantes.

Dra Josiane

Estabilidade no emprego é tema de palestra no Sindimetal

A legislação trabalhista assegura a empregados da iniciativa privada regidos pela Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) direito a estabilidade no emprego. Pela lei, estão amparados e não podem ser demitidos sem justa causa, desde que preenchidos os requisitos legais, membros da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa), empregada gestante, dirigente sindical e trabalhador que sofreu acidente de trabalho.

Esses e outros casos de estabilidade previstos na legislação trabalhista foram explanados no 2º Encontro com o Recursos Humanos (RH), promovido na sede do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá, no último dia 18 de maio.

A assessoria jurídica do Sindimetal, Josiane Cristina da Silva, detalhou aos participantes as principais estabilidades e suas implicações no dia a dia das empresas.