cc 2019 2

Convenção Coletiva de Trabalho é tema de palestra no Sindimetal

Os industriais do setor metalmecânico tem a oportunidade de participar no próximo dia 20 de fevereiro da Palestra Jurídica – Encontro com RH, com o tema: Convenção Coletiva de Trabalho 2018/2019.

O encontro será ministrado pelo assessor jurídico do Sindimetal Maringá, Reginaldo Farias.

A participação de indústrias associadas é gratuita.

Para indústrias não associadas, o valor é de R$ 50 por participante.

Dentro do tema Convenção Coletiva, serão abordados tópicos como:

-A importância da Convenção Coletiva;

-Analise da Convenção sob as mudanças da Reforma Trabalhista;

-A prevalência do convencionado sobre o legislado.

 

Para inscrições, CLIQUE AQUI. 

maquinas

ABIMAQ prevê aumento de 30% nos investimentos na indústria de máquinas e equipamentos em 2019

Para este ano, são esperadas aplicações de mais de R$ 2,7 bilhões em investimentos como: modernização tecnológica, ampliação da capacidade industrial e reposição de máquinas depreciadas e outros

 

O Departamento de Economia e Estatística, da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), elaborou uma pesquisa que indica que os fabricantes preveem investir mais de R$ 2,7 bilhões em 2019, uma alta 30,1%, em relação ao volume investido em 2018.

O setor vem apresentando nos últimos anos uma relação muito baixa entre investimentos sobre receita líquida de vendas, chegando a ficar em 3,0% em 2018, já em 2018, este valor foi de 3,7%, valores muito aquém de outros anos, a média entre 2010 e 2013 foi de 9,3%.

“A saída para o Brasil voltar a crescer é o investimento na indústria de transformação por conta de seu maior valor agregado e pelos maiores ganhos de produtividade, além de gerar emprego e renda para os brasileiros”, afirma João Marchesan, presidente da entidade. 

A pesquisa ainda revelou que as “micro e pequenas” e “médias” empresas estão mais dispostas a investir em 2019 com uma previsão superior aos investimentos realizados em 2018 em 48,7% e 50,3%, respectivamente. As grandes empresas também estão mais dispostas a investir, contudo em um patamar um pouco menor, 17,9% superior. “Os investimentos devem ganhar mais folego somente no segundo semestre, quando algumas reformas forem aprovadas e o nível de ociosidade reduzido, que hoje se encontra em 25%”, ressalta Marchesan.

Dos investimentos esperados em 2019, 35,5% devem ser destinados para modernização tecnológica, 30,5% na reposição de máquinas depreciadas, 24% na ampliação da capacidade industrial e 10% em outras áreas. “O que deverá impulsionar os investimentos é a nova rodada de concessões de setores de infraestrutura”.

Segundo presidente da ABIMAQ, o equilíbrio fiscal mais contundente é essencial para melhorar a segurança dos investimentos. “É preciso também reduzir a insegurança jurídica, manter o câmbio competitivo e inflação controlada, além de simplificar e diminuir a carga tributária, ter mais disponibilidade de crédito e facilitar o acesso a juros de mercado menores que o retorno da atividade das empresas”.