Businessman hand pointing at chart and graph during discussion

Programa detalha questões legais e financeiras de processo sucessório

Com seis módulos, curso abordará governança, direito tributário e societário, gestão financeira, entre outros temas

O processo sucessório em uma empresa familiar deve ser planejado levando em consideração as particularidades de cada grupo familiar e empresarial, entre elas questões legais, financeiras e de gestão. Não à toa uma troca de comando bem-sucedida implica na implantação de uma série de práticas relacionada à boa governança como propõe o curso “Governança e sucessão familiar”, ofertado pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL), com o apoio da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

Dividido em seis módulos, com oito horas cada, o curso abordará desde a escolha e preparação do sucessor, questões jurídicas envolvendo sociedade e proteção patrimonial até a gestão financeira e de investimento na empresa.
Ao final da programação, haverá um workshop para apresentação e debates dos planos de governança e sucessão de cada família empresária participante com debates em plenária.

O conteúdo programático estará a cargo de um seleto grupo de professores da Universidade de São Paulo (FIA/USP), executivos e consultores convidados especialmente para o programa da Fundação Instituto de Administração.
Fazem parte do quadro docente os doutores Cláudio Antonio Pinheiro Machado Filho e Marco Antônio Conejero, além dos mestres Uriel Rotta, Ana Rita Schlatter, Pedro Calabrez Furtado, Vitor Henriques e Daniel Orsini.

Confira a programação:
Módulo 1 – Governança da empresa de controle familiar
Histórico, conceito e princípios de Governança
A importância da Governança para as empresas familiares
Implementação da governança em empresas familiares
Características: Eixos da família/gestão e propriedade
Composição e dinâmica dos conselhos
Transição/ Equacionamento do processo sucessório
Profissionalização da gestão: processos decisórios
Estudos de caso/exemplos

Módulo 2 – A família empresária e os desafios da sucessão
O processo sucessório
O papel do conselho de família
Protocolos familiares e acordo de sócios
O preparo dos herdeiros
Mediação de conflitos entre membros familiares

Módulo 3 – Direito societário, reestruturação e proteção patrimonial na empresa familiar
O ambiente regulatório das empresas de capital aberto e fechado
O Novo Código Civil e as implicações para as empresas familiares.
Aspectos legais do processo sucessório
Direito de família: separação/divórcio/testamento
Holdings familiares

Módulo 4 – Direito tributário e impactos na empresa familiar
Gestão contábil
Regimes tributários
Impacto da tributação sobre as estruturas societárias
Planejamento tributário

Módulo 5 – Gestão financeira e de investimentos na empresa familiar
Análise de investimentos
Análise de rentabilidade – margem x giro
Estratégias de diversificação: oportunidades e riscos
Alternativas de financiamento
Valuation: métodos e aplicações – exemplo prático: calculando o valor de uma empresa

Módulo 6 – Economia comportamental
Processo decisório
Aspectos cognitivos – vieses
Razão x emoção
Aspectos motivacionais
Relações interpessoais/comunicação

SET GOVERNANÇA ASSOCIADOS (2)

Industriais têm 50% de desconto em curso de governança

Curso com início em setembro para preparação da sucessão será ministrado por professores da Universidade de São Paulo

Estão abertas as inscrições para a segunda turma do curso ‘Governança e sucessão familiar’, ofertado pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL), com o apoio da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep). As indústrias associadas ao Sindimetal têm 50% de desconto no valor de R$ 4 mil. O pagamento pode ser feito em até quatro vezes. No total, são 35 vagas.

De acordo com o gerente da unidade Maringá da Fiep, Alexandre Destefano, o curso atende a uma solicitação da classe empresarial. “Os próprios empresários levaram à Fiep esta necessidade de capacitar os herdeiros para a sucessão”, diz.
“O curso tem por objetivo capacitar sócios, herdeiros e gestores para a transição por meio de conceitos e práticas que assegurem a longevidade dos empreendimentos familiares”, explica o responsável pelas relações com Mercado da Fiep, Eduardo Hikishima.

As aulas começam em 2 de setembro e vão até 15 de novembro. Os encontros quinzenais – sempre às sextas-feiras à noite e aos sábados de manhã – serão ministrados por professores da Universidade de São Paulo (FIA/USP).

Os interessados devem entrar em contato pelos telefones (44) 3218-5699 e (44) 8836-9380 ou acessar o www.faculdadedaindustriaiel.com.br.

visita técnica Flaus

Grupo de empresários visita indústria em Sarandi

Industriais conheceram processo de fabricação de peças automotivas produzidas pela Flaus

A indústria Flaus, localizada em Sarandi, abriu às portas, em 15 de julho, para um grupo de dez empresários que integram o Projeto de Desenvolvimento do Setor Metalmecânico, desenvolvido pelo Sebrae.

De acordo com a consultora Cristina Schneider, a visita técnica organizada pelo Sebrae teve por objetivo promover a integração e a interação entre os empresários do setor. Foi uma oportunidade para o grupo conhecer, observar e trocar informações sobre os processos produtivos”, avalia a consultora, acrescentando que uma visita semelhante foi realizada em junho na Allflex Etiquetas, em Maringá.

Durante o período em que esteve na Flaus, cerca de uma hora e meia, o grupo percorreu as dependências da indústria na companhia do gerente José Roberto e conheceu todas as etapas do processo de fabricação das peças automotivas.

A visita técnica começou na área de desenvolvimento de produtos, passou pelo setor de elaboração de protótipos, seguiu para o departamento de testagem e terminou no setor produtivo.

A próxima indústria a ser visitada pelo grupo deve ser a Romagnole, em Mandaguari, em data ainda não definida. Além das visitas técnicas, o Sebrae está organizando capacitações para os empresários nos meses de setembro e outubro.

visita técnica Flaus

Conselho do Trabalho se reúne no Sindimetal

Nos cinco primeiros meses do ano Maringá teve saldo positivo de empregos; ainda que seja uma vaga, notícia é positiva

 

Entre janeiro e maio deste ano a Agência do Trabalhador de Maringá registrou 17.330 admissões ante 17.329 demissões, resultando em um saldo positivo de apenas uma vaga. O resultado é reflexo da crise econômica.

Embora abaixo do esperado, no comparativo com Curitiba o desempenho de Maringá foi muito superior. Na capital paranaense, as demissões superaram as contratações em 6 mil nos cinco primeiros meses de 2016.

O mercado e as ofertas de trabalho em Maringá estiveram entre os assuntos abordados na última reunião do Conselho Municipal do Trabalho, realizada na primeira quinzena de julho, na sede do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal).

Outro tema que entrou na pauta de discussão foram os recursos do seguro-desemprego. Os conselheiros também discutiram formas de melhorar a qualificação dos trabalhadores e prepará-los para quando o mercado reagir e retomar as contratações.

O atendimento da Agência do Trabalhador também foi abordado durante o encontro. Além dos maringaenses, a agência local recebe pessoas das regiões de Apucarana e Londrina que buscam o serviço de emissão de carteira do trabalho e retornam para a cidade de origem com documento na mão no mesmo dia.

Participaram da reunião, representantes do poder público municipal – secretarias de Desenvolvimento Econômico, Mulher, Assistência Social e Cidadania e Educação -, além dos representantes das classes trabalhadora e patronal.